24 setembro 2008

Vivendo e Aprendendo

** Depois de uma conversa com um grande amigo em um bar, a gente aprende muita coisa. Um amigo me contou a sua história de vida, e eu só tenho a agradecer. Aprendi a dar mais valor ainda a minha família e meus amigos. Um forte abraço meu amigo. Até a próxima cerva. De 28/04/2006 **


Vivendo e Aprendendo (Henrique Corrêa)


Há muito tempo que eu pensava ser frágil,
Que as pessoas deveriam ter pena de mim.
E não seria, eu, um sábio.
E que ningúem mais pensava assim.

Timidez me ronda até hoje e agora.
Me faltou sempre malícia com os problemas.
E o que me vinha na cabeça a toda hora
É entrar sempre no mesmo dilema.

Dizia minha mãe em seu bom caráter:
_ Não tenha medo das dores da vida.
E meu pai, em suas breves palavras:
_ Aguente o fogo, pois depois têm brasa e cinzas.

E eu, tão orgulhoso e cheio de tratos,
Me postava como se não me importasse.
Eu tinha de tudo, amigos de vários lados.
Não tinha ninguém que me maltratasse.

E por ter sempre a vida assim tão fácil
Nunca pensei que o jogo mudaria.
Queria viver sempre com classe,
Mas de coitado para isso me fazia.

E pode chamar de lugar sem cura
Ou até mesmo de antro de maldades.
Mas foi em um bar que aprendi que a vida é dura,
Foi em um bar que descobri a realidade.

E neste dia não foi por bebedeira
E nem mesmo por razões de amargura.
Foi somente uma história verdadeira,
Contada por um amigo de mente pura.

Este amigo me contou de sua infância:
O que passou e tudo aquilo que sofreu,
E dos maltratos que ele guarda na lembrança,
Para hoje estar no lugar que mereceu.

E eu que parecia satisfeito,
Fui descobrindo e revirando o que passei.
Revi meus pensamentos e defeitos.
Não consegui nada daquilo que sonhei.

Todas as farras pareciam importantes.
Todos os vícios pareciam me exaltar.
E tudo aquilo que me parecia distante,
Estava, cada vez mais a se afastar.

Foi um estrago no meu ego inocente,
Uma barreira que eu tive que quebrar.
E por mais que eu saísse impunemente,
Algum pedaço de mim se perderá.

Mesmo assim eu enfrentarei a dor
E não posso jogar fora a humildade.
E farei o que preciso for,
Me tornarei amigo da cinseridade.

Obrigado, Amigo, pela história.
Que nós tenhamos um bom final.
Que nossa vida seja repleta de glória.
Que eu aplique em minha vida o seu sinal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário