13 abril 2010

Ao leitor

Não tenho livros nem registros
Sou poeta imaginário
Sempre liberto

E liberto minha poesia ao mundo
Quem quiser que pegue um pouco de mim

Não guardo o que é meu só pra mim
Nem para ego
Nem para ganho
Reparto o que há de bom

E o que é bom se mostra
Se exibe
Sem cortinas
Sem trancas

Escrever é apenas isso
Falar sem pudor e sem preconceitos
Se você tenta fazer isso, vira poeta
Se não tenta, vira leitor.

Henrique Corrêa - 13/04/2010

Agradecimento especial à Pitanga (Adoooorrrroooo) do Blog "Mulheres à la Carte"

2 comentários:

  1. Henrique que bonito o que você escreveu...singelo...lindo

    Parabéns

    um forte abraço

    ResponderExcluir
  2. Valeu Rê! Isso só me faz ter vontade de escrever mais. Beijão

    ResponderExcluir