22 agosto 2010

Traumas

Tudo acontece comigo sem que eu perceba o que quanto estou envolvido com tal. E quando percebo a proporção de envolvimento, tudo se estraga. É como se eu não quisesse fazer parte de nada, mas eu quero fazer parte.

Sem querer fujo de tudo o que me deixa compromissado. Minto. Não fujo. As coisas fogem. Mas a culpa sempre cai em mim. Então acabo fugindo.

Sempre me disseram que tudo acontece como tem que acontecer. Me pergunto ainda porque tanta esperança é colocada no peito, para depois ser retirada provocando um vazio sem fim.

Me recordo de meus relacionamentos passados e penso no que fiz e no que poderia ter feito. Mera bobagem ficar remoendo, mas sempre percebo que eu poderia ter sido o que não sou para que as coisas não acabassem. Eu poderia ter sido menos eu o tempo todo. Fingir ser quem não sou é o que eu não sei fazer mesmo. Então os relacionamentos acabam por eu não ceder, por eu ser egoísta demais. E quando surgem novos, lá estou eu de novo, querendo o topo.

O ápice deve ser abaixo de mim ou entçao me sufoco? Não é tanto assim. Penso em todos depois de mim mas não deixo de pensar em todos. Mas se eu não pensar em mim primeiro, como pensarei em todos? Pra mim é bem simples. Gosto de cuidar, de dar atenção, de dar carinho, de ver um sorriso no rosto. Mas para que eu proporcine isso, tenho que estar bem.

Nem sei porque comecei a escrever este texto. Acho que precisava soltar alguma coisa aqui no blog. Mas foi bom dizer um pouco mais de mim. Como sempre é, e como quase nunca faço.

Traumas... "PELAMORDEDEUS". Não consigo rimar mais como antes. Não consigo compor mais como antes. Não consigo me inspirar. Um das primeiras poesias que fiz dizia "preciso vomitar todos os sentimentos que estão presos" e acho que é isso que estou fazendo aqui agora.

Se chegou até aqui no texto, obrigado pelo comentário consolador que espero que deixe abaixo. Vai servir muito para meu aprendizado.

Ah, só pra constar: Passei creme hidratante no cutuvelo. Um conselho muito bom que foi me dado.

Até o próximo post.

Nenhum comentário:

Postar um comentário