27 agosto 2010

Profundo

Quem perguntou sobre o que eu penso?
Quem tentou fazer algo por mim?
Será a mesma pessoa que habita meu pensamento?
Ou será que continuarei procurando sem fim?

Não fiz muito nos últimos tempos
Mas ainda há tempo de reconstruir.
Nunca fui muito bom com sentimentos.
Nunca fui, nem quero, ser assim.
Mas a vida ensina que um momento
Pode ser bom pra outro ser ruim

Quem calou quando eu perguntei o que pensa?
Quem fugiu quando eu quis compreender?
Será sempre a pessoa que comento?
Será que continuarei sempre sem ti?

Quero paz, quero sombra, quero vento
Quero estar entre os mais calmos do mundo
Quero não aceitar o rompimento
Quero sempre pensar assim, profundo.

Henrique Corrêa

26 agosto 2010

Refazendo

Projetos e mais projetos. Isso é jeito de viver? Sempre criando, refazendo, melhorando, discutindo, refazendo, recriando, melhorando, refazendo, melhorando, discutindo, finalizando, refazendo, arrumando, finalizando e entregando. Esse vai e vem é meu cotidiano.

Um dia me perguntaram o que eu faria se ganhasse na mega-sena. Eu respondi que iria continuar trabalhando. Vê se pode uma coisa dessa... acho que viciei nesse meu ritmo frenético e não conseguiria parar por dinheiro. Na verdade, se eu ganhasse mesmo, iria sobrar mais tempo para fazer o que gosto, e o que eu gosto é isso. Gosto de criar.

Atualmente estou me atolando de projetos que sei que poderia entregar em menor tempo, mas gosto tanto de fazê-los que refasso, melhoro e tudo aquilo que já citei acima. E a melhor parte é nunca é igual. Sempre é novo. Sempre aprendo coisas mais legais e quero aplica-las.

Melhor ainda, nisso tudo, é que eu tenho tempo para fazer mais coisas. Tenho tempo para beber minha cervejinha com os amigos, de passear por ae a toa, de escrever aqui no blog. E ainda tenho tempo sobrando para namorar. Só falta mesmo a namorada. Bom... pelo menos até agora nada de concreto. Sem mudar o assunto, sobra muito tempo ainda até para dormir.

Ainda não parei por hoje, tem mais. Tenho banners, programação em php e ajax, e um site bem bacana. Hoje não terminarei tudo, hoje não dá tempo, mas terminarei tudo com tempo e espero mostrar em breve os resultados.

Para finalizar o post, obrigado ao pessoal que tem comentado no twitter e no facebook. Infelizmente os comentários não aparecem aqui no blog (ainda) mas eu leio todos com atenção.

Bora trabalhar?

Abraco

24 agosto 2010

Ficção

Gosto muito de assistir filmes e quando o filme é bacana eu acabo me envolvendo tanto que me sinto um dos personagens. Nem sempre é o personagem principal. Às vezes me sinto um mero coadjuvante. Ultimamente tenho assistido só. É claro que prefiro assistir acompanhado mas não estou tendo tal sorte nesses ultimos dias.

Nestas encarnações que vivi temporariamente, a que mais me marcou (e a que mais durou também) foi a de Dom Juan de Marco. O filme é muito legal e no final e me senti um amante poderoso que poderia com qualquer mulher no mundo. Até cheguei a tentar ser como ele na vida real, trabalhando meu lado galinha conquistador de uma maneira nunca vista. Claro que sempre deu errado, nunca fui conquistador, mas pensei por um tempo ser um.

Com o passar dos anos alguns personagens fictícios tornaram-se reais em alguns momentos de minha vida. Sem perceber fui misturando personagens no subconsciente e tentanto dominá-los para ser como eles. Às vezes percebo que agi como um personagem depois de dias, e percebo que não deixei de ser quem realmente sou. Estranho? Nem sei. Pra mim já é bem natural (Só tome cuidado ao assistir A Hora do Pesadelo comigo).

Neste momento vejo um filme cujo personagem principal é um blogueiro. Acho que foi por isso que comecei a escrever aqui hoje. No mais, voltarei ao trabalho pois tenho ainda muito o que fazer.

Preciso de um filme que o cara tabalha pouco e ganha muito. Alguém recomenda algum?

Henrique Corrêa

23 agosto 2010

Obedecer?

Não sou uma pessoa má, só não gosto de regras. Tudo que tem regra é repelido pelas pessoas sem que elas percebam que estão repelindo.

Imagine só, somos todos enormes crianças desobedientes que não gostam de instruções, regras e caminhos únicos. Temos a opção de escolher o que queremos fazer e o que mais gostamos de fazer é desobedecer. Desobedecer é uma forma de mostrar que nossa opnião também vale, que o que somos também conta, que eu sou melhor que você pois você não tem moral pra mandar em mim.

Não me lembro da ultima vez que obedeci uma ordem. Uma ordem direta sabe. Aquela que diz seu nome no inicio e termina com um "seja breve" ou um "urgente". Tudo hoje é urgente. Mas sem mudar o foco: Necessitamos mostrar quem manda, e achamos que somos nós.

Algumas pessoas conseguem ser mandadas o tempo todo. Outras tem essa necessidade. Acho que elas não experimentaram o poder de mandar nelas mesmo, de exercer o livre arbítrio, de querer e ter o que querem.

Logico que estou sendo genérico aqui sem poder. Tem muito no meio disso. O que realmente quero dizer é que não sou uma pessoa má. Sou apenas um cara que não aceita de tudo. Também quero dizer o que penso. Também quero mandar.

Henrique Corrêa

22 agosto 2010

Traumas

Tudo acontece comigo sem que eu perceba o que quanto estou envolvido com tal. E quando percebo a proporção de envolvimento, tudo se estraga. É como se eu não quisesse fazer parte de nada, mas eu quero fazer parte.

Sem querer fujo de tudo o que me deixa compromissado. Minto. Não fujo. As coisas fogem. Mas a culpa sempre cai em mim. Então acabo fugindo.

Sempre me disseram que tudo acontece como tem que acontecer. Me pergunto ainda porque tanta esperança é colocada no peito, para depois ser retirada provocando um vazio sem fim.

Me recordo de meus relacionamentos passados e penso no que fiz e no que poderia ter feito. Mera bobagem ficar remoendo, mas sempre percebo que eu poderia ter sido o que não sou para que as coisas não acabassem. Eu poderia ter sido menos eu o tempo todo. Fingir ser quem não sou é o que eu não sei fazer mesmo. Então os relacionamentos acabam por eu não ceder, por eu ser egoísta demais. E quando surgem novos, lá estou eu de novo, querendo o topo.

O ápice deve ser abaixo de mim ou entçao me sufoco? Não é tanto assim. Penso em todos depois de mim mas não deixo de pensar em todos. Mas se eu não pensar em mim primeiro, como pensarei em todos? Pra mim é bem simples. Gosto de cuidar, de dar atenção, de dar carinho, de ver um sorriso no rosto. Mas para que eu proporcine isso, tenho que estar bem.

Nem sei porque comecei a escrever este texto. Acho que precisava soltar alguma coisa aqui no blog. Mas foi bom dizer um pouco mais de mim. Como sempre é, e como quase nunca faço.

Traumas... "PELAMORDEDEUS". Não consigo rimar mais como antes. Não consigo compor mais como antes. Não consigo me inspirar. Um das primeiras poesias que fiz dizia "preciso vomitar todos os sentimentos que estão presos" e acho que é isso que estou fazendo aqui agora.

Se chegou até aqui no texto, obrigado pelo comentário consolador que espero que deixe abaixo. Vai servir muito para meu aprendizado.

Ah, só pra constar: Passei creme hidratante no cutuvelo. Um conselho muito bom que foi me dado.

Até o próximo post.

19 agosto 2010

Você sabe o que é uma OSCIP?

Organização da Sociedade Civil de Interesse Público ou OSCIP é um título fornecido pelo Ministério da Justiça do Brasil, cuja finalidade é facilitar o aparecimento de parcerias e convênios com todos os níveis de governo e órgãos públicos (federal, estadual e municipal) e permite que doações realizadas por empresas possam ser descontadas no imposto de renda.[1] OSCIPs são ONGs criadas por iniciativa privada, que obtêm um certificado emitido pelo poder público federal ao comprovar o cumprimento de certos requisitos, especialmente aqueles derivados de normas de transparência administrativas. Em contrapartida, podem celebrar com o poder público os chamados termos de parceria, que são uma alternativa interessante aos convênios para ter maior agilidade e razoabilidade em prestar contas.
Uma ONG (Organização Não-Governamental), essencialmente é uma OSCIP, no sentido representativo da sociedade, mas OSCIP trata de uma qualificação dada pelo Ministério da Justiça no Brasil.

Obs.: Não leve a mal mas... uma pergunta dessa... só mesmo recorrendo ao wikipedia.

Abraços

Ask me anything

Eu não gostava de ir à praia, mas, depois que me mudei para Florianópolis comecei a curtir mais. Pra você, qual a coisa mais legal da praia?

Pra mim são os quiosques. Lá posso ficar na sombra, tomar uma cerveja, conversar com os amigos, enfim, prefiro muito. Nada de muito sol, muita areia. E a melhor parte. Do quiosque você vê toda a praia, se é que me entendem.

Ask me anything

12 agosto 2010

Futuro, passado e presente

Tudo é novo de novo
Novos lugares
Novas pessoas
Novas conversas
Novos horizontes

Tudo é velho e contínuo
Sempre amigos
Sempre momentos
Sempre saudade
Sempre amores

Tudo é presente de verdade
Agora penso
Agora sou
Agora sinto
Agora amor

Henrique Corrêa