08 abril 2010

Gostar do que se faz

É verdade que não é facil viver de música. Pessoas tentam e se dão bem, mas a grande maioria não consegue muito. Ainda continuo com meus trabalhos como desenvolvedor para sobreviver, mas a música me chama cada vez mais e, quando tenho oportunidades, tenho que aproveitá-las.

Atualmente tenho dois projetos na área musical. Um é com o meu amigo Sérgio Lopez. O Sérgio é chileno e está no brasil há muitos anos. Nos conhecemos no tempo do "Mais uma Dose" e agora estamos tocando juntos pela noite. Em nosso repertório exploramos o Blues, o Pop, o Rock e a MPB com nosso estilo. São dois violões e, vez ou outra, uma bateria eletrônica.

O outro projeto é com a banda "Half Beer Friends" que tem na sua formação a vocalista Juliana Prado e o baixista Zé Ricardo. Estamos ainda em busca de um guitarrista solo e um baterista para incrementar nosso som e fazer apresentações maiores. O repertório é mais agitado e contém muito Rock'n Roll e clássicos dos anos 70 e 80.

Esta semana ainda estou sem agenda musical. Se você tem um espaço em seu estabelecimento ou em sua festa pode me contactar que estou pronto. Hoje irei à Vitória para alguns contatos com donos de bares e restaurantes para fazer algumas apresentações a partir de semana que vem.

Para quem ainda não conhece o meu trabalho autoral, apresento minhas músicas no palcomp3. Lá você pode ouvir algumas (somente violão e voz). Acho que consegui explicar um pouco mais sobre o que faço.

Aceito seu comentário e sugestão.

Nos vemos pela noite!

Forte Abraço

6 comentários:

  1. Meu amigo, também já tentei viver de música e sei bem como é difícil. É uma questão de devoção acima da comercialização. Quem quer ser, faz porque ama muito acima de por dar dinheiro.

    Mas continue, que a luta é eterna. Parabéns pelo blog e abração.

    ResponderExcluir
  2. Não é nada fácil viver de arte. Temos que saber quais os nosso objetivos, pois alguns conseguem fama, mas nem sempre conseguem fazer "arte", não aquela que transcende.
    Dar certo para mim, é transcender. É expressar
    o que de fato te importa e não o que os outros querem que tu expresse. É não seguir as regras que os outros criaram. É não tentar se adequar a nada e nem a ninguem. É não se limitar a pensamentos rasos e impostos. É pensar e não chegar a nenhuma conclusão, pois quem "conclui" muito, acha que sabe tudo e para de pensar.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Adorei o comentário do "Balaio Variado".
    Falou tudo e quero transformar esse comentário em um post. Quem sabe é até o próximo?!?!?!
    Arte é expressar, sentir e fazer sentir!
    Adorei!

    ResponderExcluir
  4. Ah!! Parabéns pelo seu trabalho!Fui lá conferir.
    Esqueci de dizer outra coisa que também me deixa aflita. Quando as pessoas dizem "fazer arte por amor" fico bastante preocupada, pois esta frase pode ter uma interpretação errada. Fica parecendo que os artistas devem trabalhar de graça e acho que é totalmente o contrário, pois quem ama a arte, luta para que ela seja valorizada. Inclusive, acho que o artista que faz um trabalho autoral, deveria ser muito bem pago e não só o que faz o trabalho "comercial".
    Não consigo entender a lógica de se valorizar somente o que já vem pronto e formatado (como espetáculos da disney) e não os que são fruto de
    pesquisa e conteúdo próprio.
    A frase "Fazer arte por amor" é muito infeliz e se a arte e os artistas estão morrendo, é por este tipo de pensamento, que num primeiro momento é correto, mas que depois tem um desdobramento, que necessita de reflexão.
    Eu desejo que os artistas façam arte sempre (a que transcende) e que sejam cada vez mais valorizados, para que possam cada vez mais ter condições de se aprimorar e não precisar se "prostituir" fazendo o que os outros querem ver.

    Aparece lá no meu blog para visitar!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Balaio,
    Como disse seu comentário virou meu próximo post. E como você disse que "fazer arte por amor" deve ser valorizado, também saiba que o maior valor que pode ser dado ao artista é o reconhecimento. Não basta apenas valoriza-lo monetáriamente, e sim, reconhece-lo.
    Agradeço de coração ao seu comentário. Apareça sempre!

    ResponderExcluir
  6. Henrique

    Parabéns pelo "próximo post"... já fui conferir.
    E... o que falei, é que justamente o artista, merece sim ser valorizado monetariamente, pois trabalha muito (tanto quanto outros trabalhadores)e a sua arte é responsável pela tranformação do ser humano e obviamente seria muito interessante para alguns (governantes, manipuladores e outros) a sua morte. Jamais disse que devemos somente ser valorizados monetariamente, mas sim também valorizados monetariamente. E como já havia dito, as coisa funcionam da maneira que os manipuladores querem... tipo, vamos valorizar (monetariamente) o que nos interessa, ou seja, o que não faça ninguem refletir, o que não faça pensar, o que não mude nada de lugar, pois assim os outros artistas (ideológicos, autorais, transformadores)
    que morram logo de fome, no esquecimento e sem condições (financeiras sim) de continuarem sobrevivendo, se especializando e podendo dar continuidade em seus trabalhos.
    Falo "de carteirinha", pois também sou artista e trabalho desde 1992 e o que posso dizer é que tive muito "reconhecimento", mas nada de valorização. Todos acham lindo o seu trabalho, mas não pagam por ele, pois este pensamento já faz parte do resultado do "arte por amor" a que me referi lá no outro comentário.
    Amo demais a arte (transformadora)e os artista (transformadores), para querer vê-los passar fome e desistir de seu ideais tendo que partir para trabalhos (convenientemente) valorizados monetariamente. Valorizados por estes que desejam ver o fim da arte transformadora é claro.

    Bjs e vamos continuar na luta!!

    ResponderExcluir